jump to navigation

Kraftwerk e as redes sociais março 24, 2009

Posted by Viviane Danin in Música, redes sociais.
Tags:
7 comments

Sei que esse blog deveria ser mais profissional e menos pessoal. Mas já que eu não estou com tempo pra criar outro blog e também nem consigo deixar esse atualizado, resolvi fazer uma mescla.  Afinal, quem se importa, não é mesmo? Mas também esse post vai falar um pouco sobre redes sociais como o blip.fm.

Indo direto ao assunto, quero falar um pouco sobre o show que assisti na sexta-feira, dia 20, no Rio de Janeiro. Na verdade, foram três shows: o dos brasileiros Los Hermanos,  dos alemães Kraftwerk e dos ingleses Radiohead.

Confesso que o que mais conhecia antes de começar os shows eram os Los Hermanos. Sou verdadeiramente fã deles. Acompanho a banda há tempos, desde o recesso em abril de 2007, como eles mesmos anunciaram no site oficial. Cheguei atrasada pro show deles que começou muito cedo, por volta de 19h. Quis me matar por ter enrolado pra sair de casa mas tudo bem, o melhor estava por vir. E veio mesmo.

Quando Kraftwerk entrou no palco, logo depois dos Los Hermanos, foi uma explosão de cores, sintetizadores e música eletrônica. Música eletrônica, Viviane? Mas você nunca gostou muito. Mas não dá pra não gostar de Kraftwerk. Ao vivo e a cores então é realmente impactante. Ver aqueles quatro caras de preto na frente de algo que parece um notebook, uma mistura de computador e sintetizador é magnífico. E o som? O som lembra um monte de coisa que você já ouviu na vida, vindo de Madonna, de David Bowie, o próprio Radiohead que ia entrar logo depois. 

Os alemães estão na estrada há muito tempo, desde a década de 70, quando nem se ouvia falar de música eletrônica. Daí eles foram lá criaram o estilo e foram “chupados” mundo afora. A ponto de ouvir alguém dizer: “tudo hoje em dia tem algo de Kraftwerk”. 

É isso aí, minha cultura Kraftwerkiana se resumia a isso. Só que agora pude comprovar o poder dos alemães ao vivo e realmente aprovei. Confesso que agora não consigo parar de ouví-los.

E as redes sociais com isso mesmo?

Quero dizer que sem o blip.fm e o you tube eu teria ido pros shows conhecendo muito menos de Kraftwerk e Radiohead já que não eram bandas que eu ouvia tanto.  Não teria trocado informações com meus amigos dessas comunidades, não saberia quais as melhores músicas e não teria verificado quais eu gostava mais. Por exemplo, ouvi várias do Radiohead e a que mais falou forte foi Karma Police. Aliás um dos momentos emocionantes do show dos ingleses.

Enfim, as redes sociais possibilitaram essa troca de informação. Destaco especialmente o blip.fm no qual você pode montar sua própria seleção musical e ouve como se fosse uma rádio. Quem ainda não experimentou, vale a pena experimentar. Tenho notado que nos últimos tempos várias músicas aparecem cortadas, imagino que seja algum problema de direito autoral. Alguém sabe dizer? E pode comentar aqui?

Para fechar o post, selecionei um vídeo de uma das minhas músicas prediletas do Kraftwerk.